terça-feira, 10 de março de 2020

"Meus livros são, dizem eles, ímpios, escandalosos, temerários, cheios de blasfêmias e de calúnias contra a religião. Sob a aparência de dúvidas, o autor aí reuniu tudo que visa solapar, abalar e destruir os princípios fundamentais da religião cristã revelada.
Atacam todos os governos.
Estes livros são tanto mais perigosos e repreensíveis quanto estão escritos no mais sedutor estilo de francês, quanto aparecem sob o nome de qualificação de um Cidadão de Genebra e, segundo a intenção de seu autor, o Emílio deve servir de guia aos pais, às mães e aos preceptores. 
Ao julgar esses livros, não foi possível para o Conselho não lançar nenhum olhar sobre aquele que presumidamente era seu autor." 
(Rousseau, Cartas Escritas da Montanha)